IPE MIDIALAB GRAVA “O CAÇADOR E O CURUPIRA”

Jovens residentes do IPE MIDIALAB gravam o curta-metragem “O caçador e o Curupira”, no Hotel Fazenda Brancas, em Alto Paraíso.

Por Kayalu Mendonça

Jeanne Torres , residente do IPE MIDIALAB, em cena durante a gravação do curta “O caçador e o Curupira”, no Hotel Fazenda Brancas em Alto Paraíso de Goiás – Foto: André Arimura

Entre o fim de setembro e início de outubro, os residentes do IPE MIDIALAB – laboratório de mídia e educomunicação do IPEARTES, realizaram a gravação do curta-metragem “O caçador e o Curupira”. A atividade aconteceu no Hotel Fazenda Brancas, em Alto Paraíso de Goiás, e contou com a colaboração especial de João de Lima Neto, ator, produtor e arte educador do IPEARTES/SEDUCE.

Equipe de filmagem durante a gravação do curta “O caçador e o Curupira” pelos residentes do IPE MIDIALAB, dia 29 de setembro, no Hotel Fazenda Brancas em Alto Paraíso de Goiás. – Foto: André Arimura

A produção do curta-metragem “O Caçador e o Curupira” é resultado de uma ação para promover o resgate do Folclore Brasileiro, proposta pelos próprios jovens nas atividades de setembro. A partir daí, a residente Verbena Salaroli escreveu o roteiro e, no dia 22 de setembro, o grupo realizou ensaios explorando as paisagens do Parque Municipal da Barragem, área que era ocupada pela antiga Usina de abastecimento de energia elétrica do município.

João de Lima Neto, arte educador do IPEARTES, produzindo a residente do IPE MIDIALAB, Jeanne Torres, durante a gravação do curta-metragem “O caçador e o Curupira”, no Hotel Fazenda Brancas, dia 29 de setembro de 2018. – Foto: André Arimura

A locação escolhida pelo grupo para as gravações foi a ”Mata do Silêncio”, que fica no Hotel Fazenda Brancas. O processo de decupagem, edição e pós-produção das imagens captadas está sendo realizado pelos jovens, orientados pelos tutores do MIDIALAB. A ação contou com a participação dos educadores do MIDIALAB, com a coordenação de Matheus Dutra Garcia, orientações de Sérgio Makari na fotografia, André Arimura no making of, Kayalu Mendonça na produção do roteiro e João de Lima Neto na preparação do elenco, maquiagem artística e produção dos figurinos. 

O elenco do filme foi formado por alguns dos residentes, a partir do roteiro escrito por Verbena. O Caçador foi interpretado por Irmim Santos, o Lobo Guará por Jeanne Torres e o Curupira por Gustavo Bertuol, Rafaela Gonsalves na Direção e Gabriel Bertuol na Fotografia. 

Gustavo Bertuol, residente do IPE MIDIALAB, durante a gravação do curta-metragem “O caçador e Curupira”, no Hotel Fazenda Brancas, dia 29 de setembro de 2018. – Foto: André Arimura

Os participantes do IPE MIDIALAB integram um núcleo permanente de pesquisa e produção em COMUNICAÇÃO e ARTE, e desenvolvem conteúdos relacionados com temas de seu próprio interesse, com os municípios e comunidades da APA Pouso Alto, seus valores, sua cultura, seus conflitos e desafios, o ecossistema do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, além de comunicar as atividades do IPEARTES, seus projetos, e a atuação de seus coletivos.

Residentes do IPE MIDILAB e a equipe de educadores do IPEARTES na gravação do curta-metragem “O CAÇADOR E O CURUPIRA”, no Hotel Fazenda Brancas, dia 29 de setembro de 2018. – Foto: André Arimura

IPEMIDIALAB – Educomunicação na construção do Território do Bem Viver

O IPE MIDIALAB é o núcleo de educomunicação do IPEARTES/SEDUCE. Trata-se de um laboratório-estúdio de formação e produção multimídia, com foco em audiovisual, fotografia, rádio,  jornalismo e web, atuando nas comunidades onde o IPEARTES desenvolve suas atividades, por toda a região da Chapada dos Veadeiros. O IPE MIDIALAB contribui para o desenvolvimento pessoal, social e educacional dos residentes participantes, contribuindo para a sua cidadania.

O IPEARTES tem como objetivo promover uma educação transformadora, fundamentada na arte-educação e tecnologias sustentáveis, buscando alcançar a formação do ser humano em sua plenitude. Para isso, busca ser referência em educação integral, de maneira a potencializar o desenvolvimento das pessoas, considerando as dimensões cognitiva, física, afetiva e seus processos socioculturais. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tamanho da fonte
Contraste