FÉ E ALEGRIA NA CELEBRAÇÃO DA VILA DE SÃO JORGE, TRADIÇÃO COMEMORADA HÁ MAIS DE 60 ANOS

Porta de entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, a Vila de São Jorge é visitada por pessoas do mundo em busca de tranquilidade, da beleza exuberante de suas águas e sua diversidade cultural inspiradora

Por Kayalú Mendonça

Capela decorada para a festa da Levantada do Mastro, celebração que acontece a 67 anos na vila, no dia de São Jorge – Foto: Kayalú Mendonça

No dia 23 de abril, os moradores da Vila de São Jorge celebraram os 67 anos da festa da Levantada do Mastro, na charmosa Capela de São Jorge. A tradição surgiu na época do garimpo, quando a vila deixou de ser chamada de “Baixa” e foi batizada com o nome de “São Jorge”, uma homenagem ao santo católico que possui muitos devotos pela região. A capela, localizada bem no centro da vila, foi erguida em meados dos anos 50 pelo morador “Severo” e com ela surgiu esse momento de celebração e grande comoção, onde a fé e a alegria se unem para celebrar o aniversário do santo padroeiro da vila. A Festa de São Jorge, como é conhecida, acontece todos os anos e, após a missa, o mastro da bandeira do Divino Espírito Santo é levantado e os moradores saem em cortejo pela vila, munidos de velas, muita devoção e harmonia.

Dona Graça Reis e Dona Zezé Menezes, Caixeiras do Divino, durante o Samba de Roda no quintal da Dona Isabel, antiga moradora da vila – Foto: Kayalú Mendonça

Este ano, a comemoração começou durante a tarde com um Samba de Roda no quintal de Dona Isabel, uma das mais antigas moradoras da vila, que ofereceu almoço para toda a comunidade presente. Na sequência, a dançarina Graci Monteiro ministrou uma vivência em Dança Afro em homenagem a Ogum, orixá africano associado a São Jorge, graças ao sincretismo religioso tão característico em nossa cultura.

“Roda do Axé”, encerramento da vivência em Dança Afro em homenagem a Ogum, ministrada por Graci Monteiro – Foto: Kayalú Mendonça

Após a missa, a procissão religiosa e o levantamento do mastro, os moradores se concentraram em frente à Capela de São Jorge e o grupo “Maracatu Leão do Cerrado”, que se apresenta há cinco anos na festa, foi responsável pelo cortejo até a Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge. Os dançarinos Graci Monteiro e Fabrício Donato abriram os caminhos para o maracatu e para toda a comunidade da vila e da região.

Maracatu Leão do Cerrado, de Alto Paraíso, durante a apresentação na Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge – Foto: Kayalú Mendonça

Na sequência, além de receber a Ladainha de São Jorge com Dona Graça Reis e Dona Zezé Menezes, Caixeiras do Divino, que emocionaram a todos os presentes, a Casa de Cultura ofereceu também um jantar com a tradicional “Galinhada” para os visitantes. No palco, as apresentações artísticas do Maracatu Leão do Cerrado, os cantos rituais dos índios Fulni-ô, o projeto Turma que Faz, além do sanfoneiro Luciano da Gameleira acompanhado de Dona Zezé e Dona Graça animaram a celebração que contagia a todos com sua diversidade cultural e respeito à fé em todas as suas manifestações.

Altar da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, referência nacional na valorização das culturas tradicionais do Brasil – Foto: Kayalú Mendonça

A Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge é referência nacional na valorização das culturas tradicionais do Brasil e promove há 22 anos ações socioculturais para a comunidade, como o Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, festival que acontece no mês de julho, desde 2001, e reúne artistas e manifestações populares de todo o país. A parceria com o projeto “Turma que Faz”, da arte-educadora e musicista Doroty Marques, surgiu em 2003 e envolve crianças e adolescentes em atividades educativas, artísticas, culturais, esportivas e ambientais, ao longo de todo o ano. Fruto desse longo trabalho de transformação social e resistência, o espetáculo “Peña Folclórica” foi criado pelo participantes e o dinheiro arrecadado com a venda dos ingressos em eventos e festivais é destinado para a continuidade das atividades desenvolvidas pelo projeto na Vila de São Jorge.

Doroty Marques, arte-educadora e musicista da “Turma que Faz”, durante o cortejo do “Maracatu Leão do Cerrado” – Foto: Kayalú Mendonça

História da Vila de São Jorge

Seu surgimento remonta a 1912 e, segundo os relatos de antigos moradores, o garimpo de Quartzo de Cristal foi a principal atividade desenvolvida no século passado. A criação do Parque, na época batizado de Parque Nacional do Tocantes pelo Presidente Juscelino Kubitschek, foi fundamental para a preservação de suas formações vegetais endêmicas e de rara beleza, nascentes cristalinas e abundantes e suas rochas datadas com mais de um bilhão de anos. Em 2001, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO, Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, e o uso indireto dos recursos naturais, apenas na forma de atividades culturais, educativas e recreativas, extinguiu o extrativismo e permitiu que o Turismo se transformasse na única e generosa fonte de renda dos moradores da região.

Lixeiras customizadas nos em mutirões organizados pela comunidade da vila de São Jorge – Foto: Kayalú Mendonça

A cada estação que passa, o Cerrado muda a sua paisagem, se reconfigura e reflete suas mudanças em todos e todas que aqui habitam. Essa resiliência se tornou uma característica de seus moradores, que viveram muitos ciclos de escassez e fartura na época do garimpo, quando o cenário mundial e nacional influenciava constantemente o preço do cristal e o valor pago aos trabalhadores. A identidade dos moradores também acompanhou esse processo dinâmico e a tradição garimpeira e imigrante dos pais não se revela na perspectiva de seus filhos, os nativos. O Turismo é o principal representante dessa nova fase, em que a ligação com o mundo globalizado, com tantas possibilidades de adquirir conhecimento e renda, além do intercâmbio com pessoas de diversas culturas e nacionalidades, trouxe melhoria na geração de renda e na qualidade de vida de todos. Apesar disso, o impacto ambiental causado pelo fluxo intenso de turistas e pela falta de saneamento básico e planejamento estratégico, é uma preocupação constante nas novas gerações, que aprenderam a amar o Cerrado e a importância de preservar esse bioma tão rico. Mutirões comunitários e grupos de apoio a ações socioambientais acontecem de forma autônoma e voluntária, mostrando o engajamento dos moradores em conscientizar os visitantes sobre a importância da preservação da natureza para o desenvolvimento sustentável da vila e de toda a região de Chapada dos Veadeiros.

2 thoughts on “FÉ E ALEGRIA NA CELEBRAÇÃO DA VILA DE SÃO JORGE, TRADIÇÃO COMEMORADA HÁ MAIS DE 60 ANOS

  1. That is very fascinating, You’re an overly skilled blogger. I’ve joined your feed and sit up for in quest of extra of your excellent post. Also, I’ve shared your website in my social networks!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tamanho da fonte
Contraste